Caruaru: Mercado de Flores recebe prêmio de arquitetura

PUBLICIDADE

O Conselho de Arquitetura de Pernambuco promove anualmente o concurso “Desafios do Patrimônio Cultural”, voltado a profissionais e estudantes que desenvolveram projetos voltados ao patrimônio histórico, arquitetônico e cultural.

Na edição 2022 do concurso, o Mercado de Flores, antigo Mercado de Farinha da Feira de Caruaru, foi premiado, obtendo a segunda colocação. O projeto foi desenvolvido pelo arquiteto e urbanista Rodrigo Lucas, que na época fazia parte do corpo técnico da Prefeitura Municipal de Caruaru.

Compondo o conjunto de edificações estruturadoras do Parque 18 de Maio, o Antigo Mercado de Farinha é uma das edificações referência para os usuários da Feira de Caruaru, cujo tombamento como Patrimônio Imaterial se deu em 2006. A edificação original, projetada pela Arquiteta Regeane Papaleo, foi inaugurada em 16 de maio de 1992 e mesmo não se tratando de uma edificação tão antiga para a cidade é um equipamento de relevância cultural e histórica para a população.

O projeto arquitetônico de requalificação contemplou o novo uso com a intensão de abrigar os comerciantes de flores e ervas, que além de serem cada vez menos e, portanto, precisavam ser estimulados a permanecerem no ramo, trabalhavam em bancos muito precários que não atendiam bem suas necessidades. Articuladas essas demandas com os feirantes, foi planejada uma nova utilização dessa construção, que hoje encontra-se requalificada internamente, passando a ser chamada de Mercado de Flores.

Ainda sobre a concepção do projeto, esse espaço comercial precisava ser incrementado, como com a reconstrução de todo o piso interno em granilite, material especificado no projeto original. Já os boxes voltados para o exterior da edificação, em fase de conclusão de obra, foram reformados e padronizados para novas atividades comerciais. Toda a coberta do Mercado foi reconstruída, com exceção da estrutura metálica que foi reparada e recebeu nova pintura. A coberta dos boxes foi modificada para não ter calhas, que devam muitos problemas de manutenção. O espaço interno abriga ainda duas baterias de banheiro, espaço administrativo, almoxarifado e sala de medidores, para controle individualizado da energia elétrica consumida por cada feirante.

Pelo segundo ano consecutivo um edifício histórico da cidade de Caruaru recebe essa premiação, e isso é motivo de orgulho! Por outro lado, o patrimônio edificado de nossa cidade não tem muito motivos para comemorar, pois ainda não está sendo bem cuidado e priorizado como deveria. Esperamos que essa realidade mude aos poucos, e que população valorize e cuide desse bem que é de todos.

Rodrigo Lucas, Arquiteto e Urbanista.

PUBLICIDADE