Julho é o mês de comemoração do Dia do Cirurgião Oncológico

PUBLICIDADE

O dia 17 de julho é dedicado ao Dia do Cirurgião Oncológico, especialista determinante no tratamento efetivo de câncer, principalmente quando a doença é diagnosticada em seu estágio inicial. A cirurgia oncológica desponta como uma especialidade chave na importante missão de combater o câncer. É um tipo de tratamento que consiste na retirada do tumor através de operações no corpo do paciente e, quando indicada, tem como objetivo remover totalmente este tumor.

A cirurgia oncológica pode ser o tratamento principal e curativo para quase todos os tumores sólidos, dependendo do estágio da doença e da saúde do paciente. O procedimento também é uma forma de avaliar a extensão da doença. Em alguns casos, o estadiamento do câncer, maneira como o médico determina o avanço da doença no organismo, só é possível de ser certificado durante o ato cirúrgico. Atualmente, a especialidade é considerada um dos tripés no tratamento do câncer, ao lado da quimioterapia e da radioterapia.

No Agreste de Pernambuco, o NOA (Núcleo de Oncologia do Agreste) conta com a Dra. Brenda Jambo, a primeira cirurgiã oncológica certificada em Caruaru e única especialista da cidade. Médica cirurgiã formada pela Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande/PB, possui pós-graduação em Saúde da Família pela UFPE e residência médica em Cirurgia Geral e Oncológica. É membra titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO).

“Através de um trabalho multidisciplinar, em sintonia com as outras especialidades oncológicas como oncologia clínica, radioterapia, hematologia, patologia e através da capacidade técnica refinada que o cirurgião oncológico possui, que se consegue realizar as cirurgias necessárias aos diversos tipos de cânceres, respeitando os princípios oncológicos, e as indicações terapêuticas ideais para cada paciente”, afirma a cirurgiã.

A cirurgia oncológica possui duas finalidades: a curativa, para a retirada total do tumor; e a paliativa, para reduzir a presença de células tumorais ou controlar sintomas que comprometem a qualidade de sobrevida do paciente. A Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica exemplifica como tratamentos cirúrgicos paliativos a descompressão de estruturas vitais, o controle de hemorragias e perfurações, o desvio de trânsitos aéreo, digestivo e urinário, o controle da dor e a retirada de uma lesão de difícil convivência. Além disso, a cirurgia oncológica atua na avaliação da extensão da doença, pois o especialista pode observar a extensão e localização dos tumores durante o ato cirúrgico

A SBCO ressalta a importância do paciente e seus familiares buscarem sempre um especialista em cirurgia oncológica devidamente preparado para exercer a atividade, do início ao fim de um tratamento contra o câncer. “O grande desafio torna-se, portanto, envolver-se de forma humana na abordagem otimizada do paciente oncológico, buscando a excelência no diagnóstico, tratamento e seguimento de cada um deles. A cura, o alívio dos sintomas e a melhoria da qualidade de vida são os principais objetivos”, conclui Brenda Jambo.

PUBLICIDADE